Região Centro Oeste

Na manhã desta segunda-feira (13/5), cerca de 600 camponeses organizados pelo MST, MCP, MAB, além de quilombolas e dos trabalhadores ligados à Federação Única dos Petroleiros ocuparam o Ministério de Minas e Energia, em Brasília.

 

Durante o dia de ontem (14) aconteceram três grandes assembleias de atingidos por barragens no estado de Goiás, em virtude do Dia Internacional de Luta contra as Barragens, pelos Rios, pela Água e pela Vida.

As assembleias aconteceram nas cidades de Minaçu, Uruaçu e Niquelândia e mais de 1500 pessoas participaram dos atos. Estes municípios são atingidos pelas barragens de Cana Brava, de propriedade da empresa Suez Tractebel, e Serra da Mesa, da estatal Furnas.

Acordo com o MPT estabelece que os trabalhadores tenham a carteira assinada em suas cidades de origem e os custos com passagens, alimentação e hospedagem sejam do consórcio. Segundo liderança do MAB, "não há dúvidas de que os protestos foram iniciados devido a “uma série de insatisfações” referente a direitos trabalhistas que o consórcio não vinha cumprindo".

O movimento camponês de Mato Grosso esteve reunido em Várzea Grande (MT) nos dias 29 e 30 de novembro no Encontro Unitário dos Trabalhadores e Trabalhadoras dos Povos do Campo, das Águas e das Florestas para traçar ações em comum que fortaleçam e unifiquem a luta no campo. As pautas foram discutidas entre 13 entidades e mais de 250 pessoas de todas as regiões do estado.

Atingidos pela usina hidrelétrica de Colíder no Mato Grosso ocuparam na manhã desta segunda-feira (20) a sede da Companhia Paranaense de Energia (COPEL), proprietária da barragem que está em fase avançada de construção. O grupo é formado, sobretudo, por pescadores que reivindicam que a empresa reconheça os prejuízos que centenas de famílias tiveram depois do início da construção da barragem. Todas viviam da pesca no rio Teles Pires e ficaram sem a principal fonte de renda.

Uma ação truculenta da polícia militar de Goiás deixou várias pessoas feridas, entre elas uma mulher grávida de seis meses.

Mais de 350 famílias integrantes do MST e do MAB, juntamente com o Sindicato dos Trabalhadores em Educação do estado do Tocantins (SINTET), realizaram marchas pelas ruas de Palmas em apoio à greve nacional da educação. A marcha aconteceu ontem, dia 14 de março.

Na manhã desta quinta-feira (15/03), manifestantes do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) estão protestando em frente ao Ministério de Minas e Energia, na Esplanada dos Ministérios. Com a ação, o Movimento exige o cancelamento de Belo Monte e cobra a renovação das concessões do setor elétrico que vencem nos próximos anos.

Nesta quarta-feira, dia 14 de março, as famílias atingidas pela barragem de Estreito, no Maranhão, realizaram uma manifestação no escritório do Consorcio Estreito Energia (CESTE), responsável pela construção da usina. A ação faz parte da jornada nacional de lutas do MAB, que marca o Dia internacional de luta contra as barragens, pelos rios, pela água e pela vida, celebrado mundialmente em 14 de março.