Região Norte

Povos indígenas, comunidades locais - e provavelmente a própria Terra - estão respirando um suspiro de alívio e comemorando uma grande vitória. Após anos de organização e uma série de importantes estudos ambientais, a mega barragem São Luiz do Tapajós, o maior projeto hidrelétrico planejado para a Amazônia, foi cancelado.

Na última terça-feira (6) aconteceu o lançamento do Fórum Alternativo Mundial da Água em Porto Velho (RO), com a participação de diversos movimentos sociais e organizações do estado, entre elas o Movimento dos Atingidos por Barragens, Central de Movimentos Populares, Comissão Pastoral da Terra, Arquidiocese de Porto Velho, Sindicato dos Urbanitários, Levante Popular da Juventude, professores e pesquisadores. O lançamento ressaltou a importância da luta pela água no próximo período, em Rondônia e na Amazônia.

Esta tarde, dia 19 de dezembro de 2017, cerca de 200 atingidos se reuniram hoje com o IBAMA e a Santo Antônio Energia para reafirmar a obrigação da empresa em realocar e indenizar mais de 160 imóveis e mais de 250 pessoas, entre proprietários e inquilinos, em uma área de risco ao redor do reservatório da hidrelétrica de Santo Antônio em Jaci Paraná.

O Projeto de Lei Complementar nº 102 de 2016 é de iniciativa do Governo do Estado de Rondônia e permite a inundação de áreas de floresta de unidades de conservação estaduais para a ampliação do reservatório da usina hidrelétrica de Santo Antônio (Estação Ecológica Estadual Serra Três Irmãos, da Área de Proteção Ambiental Rio Madeira, da Floresta Estadual de Rendimento Sustentado do Rio Vermelho – C e da Reserva Extrativista Jacy-Paraná).

Representantes dos povos ribeirinhos de Pimental e São Francisco, no município de Trairão (PA), entregaram na manhã desta segunda-feira (13) o Protocolo de Consulta das comunidades ao Procurador do Ministério Público Federal (MPF) em Santarém, Paulo de Tarso Oliveira.

No próximo dia 17, sexta-feira, ás 19h no audicine do SESC esplanada na capital Porto Velho será lançado o Filme “Arpilleras: atingidas por barragens bordando a resistência” que conta a história de dez mulheres atingidas por barragens das cinco regiões do Brasil que, por meio de uma técnica de bordado surgida no Chile durante a ditadura militar, costuraram seus relatos de dor, luta e superação frente às violações sofridas em suas vidas cotidianas durante a construção de hidrelétricas.

A Amazônia é um dos mais ricos biomas do mundo e ocupa mais de 5 milhões de quilômetros quadrados em 9 países da América do Sul. Concentra grandes áreas e uma rica diversidade de plantas e animais, grandes reservas minerais, grandes extensões de rios, igarapés e lagos.

Foi lançado ontem (20) em Porto Velho o Caderno de Conflitos no Campo 2016. A atividade foi organizada pela Comissão Pastoral da Terra e a diocese de Porto Velho. O Relatório anual traz registros das ocorrências de conflito e de violência sofrida pelos trabalhadores e trabalhadoras da terra, e é uma referência no Brasil.

Os manifestantes cobram a destinação de três terrenos para moradia social que beneficiaria 3 mil famílias

 

Desde o início da manhã desta quinta-feira (08), cerca de 300 pessoas protestam em frente à prefeitura de Vitória do Xingu (PA). Atingidos pela especulação imobiliária gerada pela Usina Hidrelétrica Belo Monte, os manifestantes integram um conjunto de 3 mil famílias que ocupam três terrenos no município – as ocupações Nova Vitória 1, Nova Vitória 2 e Laticínios.