Região Sudeste

O MAB participou da organização de seminário sobre o tema em Presidente Bernardes, na Zona da Mata mineira.

O Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE/MG) promoveu no dia de ontem (08/09), no pátio da Assembleia Legislativa de Minas Gerais, Assembleia Estadual da categoria que definiu pela continuidade da greve por tempo indeterminado. Ontem completou tres meses de paralização.

Integrantes da Via Campesina, juntamente com sindicatos, professores, juventude e Pastorais Sociais, ocuparam a sede da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), em Montes Claros (MG), nesta terça-feira (6).

Cerca de 10 mil trabalhadores e trabalhadoras da educação da rede estadual de Minas Gerais decidiram, em Assembleia Estadual ocorrida na tarde de ontem (31/8), manter a greve por tempo indeterminado. O movimento teve início dia 08 de junho e a categoria reivindica o imediato cumprimento do Piso Salarial Profissional Nacional  regulamentado pela Lei Federal 11.738.

Para repercutir o tema deste ano – Pela vida, grita a Terra... Por direitos, todos nós! –, a coordenação do Grito dos Excluídos promoverá entrevista coletiva com o bispo da CNBB Dom Demétrio Valentini, bispo de Jales (SP), e representantes de movimentos sociais, entre eles,  João Paulo Rodrigues (MST), Vanessa Nascimento (Uneafro) e José Efigênio de Paulo, da 24ª Romaria dos Trabalhadores, nesta quinta-feira, dia 1º, na sede da CNBB, em São Paulo.

O Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) participou de uma intervenção em apoio à greve dos professores neste domingo (28) durante a feira hippie de Belo Horizonte. Os professores mineiros estão em greve há cerca de 80 dias para reivindicar melhores condições de trabalho e remuneração.

Após dois dias de debate, no último sábado (27/08) encerrou-se o seminário Mineração no Alto Rio Pardo: desenvolvimento para quê e para quem?, realizado no município de Salinas, norte de Minas Gerais.

Iniciou nesta manhã (25), o Seminário Mineração no Alto Rio Pardo, que está sendo realizado no município de Salinas, no norte de Minas Gerais. O evento, que faz parte da Jornada Nacional de Lutas, é organizado pelo MAB em parceria  com o Movimento da Articulação dos Sindicatos dos Trabalhadores Rurais, o Colegiado do Território da Cidadania Alto Rio Pardo e as comunidades atingidas pela mineração.

Cerca de 10 mil pessoas participaram na tarde hoje (24), em Belo Horizonte (MG), de um grande ato unificado em defesa da educação. A maior parte do público era de professores que estão em greve há quase 80 dias. Também participaram estudantes, movimentos sociais da Via Campesina, Assembléia Popular, sindicatos, movimento popular urbano, entre outros, em um grande momento de levante dos trabalhadores e trabalhadoras do estado de Minas Gerais.
 
Os professores estão em greve para reivindicar melhores condições de trabalho e remuneração.

Cerca de 350 integrantes da Via Campesina ocuparam nesta manhã (22) a sede da Superintendência Regional do Incra, em Belo Horizonte, Minas Gerais.