Região Sudeste

Hidrelétricas geram energia para lucro das empresas e deixam a população atingida na miséria.

Os acampamentos de Minas Gerais que iniciaram no domingo estão sendo reforçados com o aumento do número de participantes. Os atingidos também participam de debates fora do acampamento, como aconteceu na segunda-feira (15), em uma atividade na Universidade Federal de Viçosa. Ontem, uma comissão participou de um debate sobre a Violação dos Direitos Humanos, na cidade de Mariana, que contou com a presença de autoridades, entre elas, os prefeitos da região e o presidente da CNBB, arcebispo de Mariana, Dom Geraldo Lyrio Rocha.

As atividades da jornada de lutas em comemoração ao Dia Internacional de Luta contra as Barragens continuam pelo Brasil com acampamentos em vários estados. Nos locais em que os acampamentos iniciaram no domingo e na segunda, hoje as atividades foram internas, com debates sobre análise de conjuntura e o modelo energético.

Cerca de 300 atingidos por barragens estão mobilizados em duas regiões de Minas Gerais, nas barragens de Aimorés e Fumaça, no leste do estado e na zona da mata. As ações fazem parte da jornada nacional de lutas do Dia Internacional de Lutas contra as barragens, comemorado no dia 14 de março.

A 3ª Ação Internacional da Marcha Mundial das Mulheres segue a todo vapor desde segunda-feira, dia 8, quando saíram de Campinas em direção São Paulo. Hoje (12) a Marcha está em Jundiaí e durante a tarde as mulheres discutiram temas como soberania alimentar e luta por território. Com esta manifestação, as mulheres querem dar visibilidade à suas lutas e reivindicar mudanças em suas vidas.

Atingidas por barragens participam da marcha que reunirá representantes de todos os estados do país

Na última quinta-feira (11/2), o Ministério Público do Trabalho (MPT) acionou a Justiça de Araraquara (interior de SP) com um pedido de liminar contra as indústrias de suco de laranja Cutrale, Louis Dreyfous, Citrovita e Fischer. As empresas são acusadas de explorar a mão-de-obra terceirizada na colheita da fruta.

Desde a última quarta-feira (27 de janeiro), 65 estudantes do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) e de diversos movimentos sociais de todas as regiões do Brasil, e também da Colômbia, El Salvador e Argentina, estão no Rio de Janeiro para a conclusão da primeira turma do Curso de Extensão e Especialização "Energia e sociedade no capitalismo contemporâneo". O curso é realizado em uma parceria entre o MAB e o Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional (IPPUR), da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Nós, organizações e movimentos sociais e sindicais do Brasil, convocamos e convidamos organizações sociais e sindicais do Canadá, Chile, Argentina, Guatemala, Peru e Moçambique para o I Encontro Internacional de Populações, Comunidades, Trabalhadores e Trabalhadoras atingidos pela política agressiva e predatória da companhia Vale do Rio Doce, entre os dias 12 e 15 de abril de 2010, no Rio de Janeiro (RJ).