Região Sudeste

Os representantes das empresas apresentaram a mesma conversa que se repete nas comunidades, de que a Samarco está fazendo o que deve ser feito. A empresa disse “não” a todos os pontos requeridos e jogou a pauta para dentro do acordo com o governo.

Nesta segunda-feira (14), Dia Internacional de Luta Contra as Barragens, movimentos populares escracharam o Complexo Mineroquímico da Vale Fertilizantes, em Cajati (SP). No ato, aproximadamente 800 pessoas protestaram contra os projetos de mineração na região do Vale do Ribeira (SP) e denunciaram a responsabilidade da empresa na morte de 19 pessoas em Mariana (MG).

Atingidos paranaenses e da região do Vale do Ribeira em São Paulo se uniram hoje (14) pela manhã nas mobilizações que marcam o “Dia Internacional de Luta Contra as Barragens”.

No terceiro dia seguido de mobilização, mulheres mineiras realizam ato pela diminuição do preço da luz e denunciam contrato entre CEMIG e Samarco por fornecimento mais barato de energia.

Centenas de mulheres acordaram cedo no dia de hoje (09) para o terceiro dia da jornada de mobilizações do mês de março.

por Thiago Alves, do Rio de Janeiro

Fotos: Joka Madruga

Mais de 2 mil mulheres seguiram em marcha pelas ruas do centro de Belo Horizonte na tarde desta terça-feira (8) em ato unitário pelo Dia Internacional das Mulheres

Entre as diversas reivindicações, a denúncia do crime cometido na Bacia do Rio Doce teve um destaque especial. Assim como em outras regiões, as mulheres fizeram questão de “devolver” para a Vale, a mesma lama que as atingiu no final do ano passado.

No dia internacional da mulher, cerca de 400 manifestantes protestaram na sede da Vale, para denunciar a responsabilidade da mineradora na tragédia ocorrida em Mariana (MG).


Hoje, 08 de março, dia internacional das mulheres, também marca o dia em que a Política Estadual De Direitos dos Atingidos por Barragens é oficialmente protocolada na Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais.

As mulheres atingidas, acampadas em frente à assembleia desde ontem, realizaram uma atividade para pressionar a casa, com o objetivo de aprovar a proposta da política estadual.

Desde o início da manhã desta terça-feira (8), no Dia Internacional de Luta das Mulheres, 200 pessoas ocupam a linha férrea da Vale no distrito de Cachoeira Escura, município de Belo Oriente (MG), na região do Vale do Rio Doce.  Os manifestantes são mulheres, homens e crianças do Norte, Jequitinhonha, Zona da Mata e Vale do Rio Doce, todos atingidos pelo modelo exploratório das hidrelétricas e da mineração.

Nada de flores e presentes. Mais de 700 representantes de 40 diversas Federações, Centrais e Movimentos Sociais do campo e da cidade estiveram hoje na Assembleia Legislativa de Minas Gerais exigindo direitos e cobrando uma postura efetiva do estado perante os direitos que permanecem negados às mulheres. O ato unificado reafirmou a força coletiva feminista nas lutas pela igualdade de gênero e contra as diferentes formas de violências: física, verbal, institucional, patrimonial e doméstica.