Região Sul

Na última terça-feira (14), ocorreu o lançamento do 8º Encontro Nacional do MAB (Movimento dos Atingidos pelas Barragens), no auditório do SindiCoop/AREDE. Líderes sindicais, representantes da Igreja Católica e da IECLB, agricultores ameaçados pelas barragens de Garabi e Panambi se revezaram nas manifestações deste dia que é comemorado os 26 anos do MAB.

Nesta terça-feira (14), seguindo as atividades do 14 de março, dia nacional de luta contra as barragens, atingidos do Rio Grande do Sul realizam no Plenarinho da Assembleia Legislativa do estado, em Porto Alegre, o Seminário “Questão Energética e Direitos: atualidades e perspectivas”.


Hoje pela manhã, durante as atividades marcam o 14 de março, atingidos e atingidas por barragens do Paraná participaram de audiência pública realizada pelo DIEESE na na Assembleia Legislativa do Estado, com participação dos deputados que compõem a Frente Parlamentar em Defesa dos Atingidos por Barragens do Estado do Paraná. As famílias atingidas denunciam as diversas violações de direitos ocorridas nas regiões onde há barragens e, também, onde há construções em andamento, como é o caso da UHE Baixo Iguaçu.

Teve início hoje (14 de março) em Águas de Chapecó, oeste do estado de Santa Catarina, o “Encontro com atingidos pela UHE Foz do Chapecó no Rio Uruguai”.

O Movimento dos Atingido por Barragens (MAB) promove na próxima terça-feira (14), a partir das 14 horas, no Plenarinho da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, o Seminário “Questão Energética e Direitos: atualidades e perspectivas”.

A 3ª etapa de formação contou com a presença de 40 jovens atingidos pela Usina Hidrelétrica de Machadinho.

Agricultores reivindicam participação do movimento no cadastro físico dos atingidos pela hidrelétrica em fase de construção no sudoeste do Paraná


No último sábado (18), moradores ameaçados pela construção da Pequena Central Hidrelétrica Salto da Alemã realizaram ato público na ponte de acesso localizada entre os municípios paranaenses de Pato Branco e Honório Serpa, para denunciar a falta de informações sobre a obra.  

Protestos ocorreram devido às pendências que a Companhia Paranaense de Energia Elétrica (Copel) mantém com os atingidos


Na tarde desta terça-feira (14), cerca de 150 atingidos pela Usina Hidrelétrica (UHE) Baixo Iguaçu realizaram protestos no município de Capitão Leônidas Marques, no Oeste do estado do Paraná, para protestarem contra a negação de seus direitos.

Integrantes do MAB cobraram do governo a destinação de R$ 50 milhões, arrecadados anualmente como compensação financeira pelas terras alagadas pelas barragens, para as populações atingidas