Região Sul

A estatal de energia garantiu que irá indenizar até o início de julho todas as famílias atingidas pela enchente de 2014 no sudoeste do Paraná


Na última sexta-feira (26), a Companhia Paranaense de Energia (Copel) garantiu um novo calendário para o pagamento de indenizações das famílias atingidas pela enchente ocorrida em junho de 2014 na região sudoeste do Paraná.

O Movimento dos Atingidos por Barragens, em conjunto com a Eletrosul, vem desenvolvendo o projeto “Cinema nas Comunidades e a Questão Energética III”, desde julho de 2014. Através desta proposta, famílias atingidas por barragens se reúnem para desenvolver e promover ações culturais, educativas, de incentivo a organização popular em defesa de direitos, por meio de filmes e documentários, nacionais e internacionais.

A partir de hoje (24 de junho), entra em vigor um aumento de 15,32% nas contas de luz das unidades consumidoras da COPEL (Companhia Paranaense de Energia), comandada pelo governo do estado. Ao todo, 4,3 milhões de consumidores serão afetados.

O aumento foi aprovado pela ANEEL (Agência Nacional de energia Elétrica) na última terça-feira, dia 16. Para os consumidores residenciais, o aumento médio será de 15,09%, para a indústria o reajuste será de 15,61%.

com informações do Terra Sem Males

Fotos: Joka Madruga

Nesta terça feira (05), mais de 25 mil pessoas saíram às ruas do Centro Cívico de Curitiba em ato de apoio à greve dos professores e em repúdio à repressão comandada pelo governador paranaense, Beto Richa, contra os manifestantes na última semana.

Depois de 8 meses de luta, famílias atingidas pela enchente no Rio Iguaçu, obtém prazos para resolver a efetivação do pagamento dos danos sofridos pela enchente conforme o cadastramento.

Paraná também vai as ruas no dia 13 de março. Na parte da manhã o MAB, em conjunto com outros movimentos e organizações, realizou manifestação com os petroleiros em frente à Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar).

Nesta quinta, as diversas organizações que compõem a CMS se mobilizam em defesa da classe trabalhadora, da Constituinte e da Petrobrás.

Movimentos sociais exigem o cancelamento imediato dos aumentos nas contas de luz, que sofreram reajuste de 37% da Companhia Estadual de Energia Elétrica. 

A multinacional israelense Adama é uma das maiores empresas de agroquímicos do Sul do país, incluindo um dos componentes do agente laranja.

da Página do MST

Na manhã desta terça-feira (10), cerca de 800 mulheres camponesas do MST e do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) ocupam a sede da multinacional israelense Adama, em Taquari, no Rio Grande do Sul.

O Ministério Público Federal (MPF) em Santa Rosa, em conjunto com o Ministério Público do Rio Grande do Sul, ajuizou ação civil pública (ACP) ambiental, com pedido de liminar, contra o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e as Centrais Elétricas Brasileiras S.A. - Eletrobrás - exigindo a imediata paralisação do processo de licenciamento ambiental da usina hidrelétrica binacional (Tratado Internacional entre Brasil e Argentina, aprovado pelo Decreto Legislativo n.