14 de Março

Durante o dia de ontem (14) aconteceram três grandes assembleias de atingidos por barragens no estado de Goiás, em virtude do Dia Internacional de Luta contra as Barragens, pelos Rios, pela Água e pela Vida.

As assembleias aconteceram nas cidades de Minaçu, Uruaçu e Niquelândia e mais de 1500 pessoas participaram dos atos. Estes municípios são atingidos pelas barragens de Cana Brava, de propriedade da empresa Suez Tractebel, e Serra da Mesa, da estatal Furnas.

Em comemoração às ações do Dia Internacional de Luta contra as Barragens, pelos Rios, pela Água e pela Vida, no dia 14 de março aconteceu um encontro de formação com os atingidos da região do Vale do Jequitinhonha, norte de Minas Gerais.

Por volta de 500 atingidos pela barragem de Belo Monte se reuniram neste 14 de Março em uma grande assembleia na cidade de Altamira. O objetivo foi discutir formas de exigir do poder público e da Norte Energia (dona da barragem) condições para permanecerem em suas casas nas áreas alagadiças da cidade de Altamira. Além disso, querem resposta da empresa sobre os reassentamentos a que tem direito.

Diversos setores da sociedade se reuniram em seminário nesta quinta-feira (14), na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), para discutir e apontar soluções para o atual modelo energético. O evento foi organizado pela Plataforma Operária e Camponesa para a Energia e pela Bancada dos deputados do PT de São Paulo, além de contar com outras organizações parceiras.

Como parte das atividades do Encontro Estadual do Movimento dos Atingidos por Barragens de Rondônia, na manhã de hoje os atingidos fizeram uma panfletagem sobre o preço da luz em diversos pontos da cidade de Porto Velho.

Segundo as lideranças do MAB, o debate sobre o preço da luz teve uma boa repercussão entre a população da cidade, que não tem muita carência de informações sobre o assunto. “Muitos deles sequer sabiam que o preço da luz teve uma redução de 18%”, afirmou Océlio Muniz, da coordenação do Movimento.

Nesta tarde (14), cerca de 500 atingidos pelo complexo hidrelétrico de Garabi/Panambi trancaram por tempo indeterminado o porto Internacional entre Brasil e Argentina, na cidade de Porto Mauá, região noroeste do estado do Rio Grande do Sul nesta tarde.

Os atingidos reclamam da falta de informação por parte das empresas responsáveis pela implementação das barragens. As negociações, por exemplo, se dão apenas entre os governos da Argentina e Brasil e com as empresas Eletrobrás e Ibisa. Já a população fica a mercê das informações.

Cerca de 400 pessoas participam do encontro dos atingidos e ameaçados pelo projeto da barragem de Itapiranga. O encontro, que aconteceu na cidade de mesmo nome, em Santa Catarina, foi organizado pelo MAB e diversas organizações da região, todos preocupados com as consequências da barragem.

Cerca de 200 pessoas organizadas no Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), fizeram uma assembleia na manhã deste dia 14 na entrada de acesso às turbinas da barragem de Foz do Chapecó, no município de Alpestre, no Rio Grande do Sul.

Neste 14 de março, dia que os atingidos por barragens lutam por seus direitos em todo o mundo, os participantes do I Encontro Estadual no Paraná realizaram um ato de protesto na barragem de Salto Santiago, em Saudade do Iguaçu (PR).

No dia internacional da luta contra as barragens, pelos rios, pela água e pela vida, o Movimento dos Atingidos por Barragens – MAB propõe a elaboração de uma política pública para as famílias atingidas pelas hidrelétricas. De acordo com Luis Dalla Costa, a proposta pretende garantir os direitos das famílias que são direta ou indiretamente impactadas pelos novos empreendimentos.