Banner-site_Belo-Monte

Belo Monte

A presidenta Dilma Rousseff inaugurou hoje (5 de maio) a hidrelétrica de Belo Monte, na região do Xingu, Pará, em uma cerimônia com os trabalhadores da barragem, sociedade civil e autoridades locais. Os movimentos da Frente Brasil Popular estiveram presentes no ato para denunciar a tentativa de golpe no país, mostrar apoio à presidenta e também para cobrar as medidas para mitigar os impactos da construção da hidrelétrica na região.

Agricultores atingidos pela demarcação da terra indígena Arara da Volta Grande do Xingu, uma das condicionantes da hidrelétrica de Belo Monte, ocuparam a sede do Incra em Altamira (PA) nesta semana. Os manifestantes denunciam que, após quatro anos do início do processo, ainda não tiveram o direito de serem reassentados em outro local.

O Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) entregou aos senadores da subcomissão de acompanhamento às obras Belo Monte a proposta da Política Nacional de Direitos dos Atingidos por Barragens (PNAB). A entrega do documento ocorreu durante visita da comissão à região impactada pela hidrelétrica nessa quinta-feira (07).

Desde o início desse mês (abril), a hidrelétrica de Belo Monte já está gerando energia para o Sistema Interligado Nacional. Apesar disso, a obra deixa uma série de impactos e problemas ainda por resolver para a região do Xingu (PA). Condicionantes inconclusas ou mal feitas, desrespeito aos povos indígenas e famílias que até hoje não tiveram seus direitos reconhecidos estão na lista de pendências. Conheça algumas das mais graves:

1. Saneamento básico

Após 28 anos de espera, a Terra Indígena (TI) Cachoeira Seca, dos índios Arara, foi homologada com o decreto sancionado ontem (5 de abril) pela presidenta Dilma Rousseff.

Prestes a começar a funcionar, usina deixa um rastro de miséria e tristeza

Mais de 500 moradores da lagoa do bairro Independente 1 em Altamira (PA) reuniram-se nessa tarde com representante do Ibama, Governo Federal e Defensoria Pública da União. Eles pretendem ser reconhecidos como atingidos por Belo Monte e cobram uma posição do órgão licenciador sobre o tema.

As mulheres atingidas por barragens do Pará somaram às milhões de mulheres lutadoras desse país e foram às ruas nesse 8 de Março denunciar o abuso do preço da energia. Elas também denunciam que o modelo energético de nosso país causa graves violações de direitos humanos, sendo as mulheres as mais prejudicadas.

Moradores do bairro Independente II, Altamira (PA), protestaram em frente à sede da Norte Energia na tarde de hoje (7 de março). Mais de 500 famílias tiveram suas casas alagadas na cidade após uma forte chuva esta manhã. Segundo relato dos atingidos, o motivo é o represamento do Xingu devido à hidrelétrica de Belo Monte.  

Bairro Independente II

Após um intenso dia de chuva em Altamira (PA), mais de 500 famílias do bairro Jardim Independente I tiveram sua comunidade alagada. As famílias, organizadas no Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), denunciam que o lago da hidrelétrica está impactando diretamente o escoamento da água da chuva. Elas exigem ser reconhecidas como atingidas.