Via Campesina

Milhares de camponeses integrantes da Via Campesina e Fetraf estão mobilizados em diversos municípios do Rio Grande do Sul para pressionar o Governo Federal a negociar as dívidas dos agricultores. Na última terça-feira (23), a Via Campesina foi recebida pelo governo em Brasília e o mesmo se comprometeu que até hoje (26) traria uma proposta para solucionar o problema.

O governo federal marcou uma audiência com a Via Campesina nesta sexta-feira, às 11h, no Palácio do Planalto, para dar uma resposta à pauta apresentada nas mobilizações desta semana.

No início da tarde desta quinta-feira (25), dezenas de crianças, que vieram à Brasília para o Acampamento Nacional da Via Campesina, se dirigiram ao Ministério da Educação (MEC) para exigir melhorias na educação do campo.

Iniciou nesta manhã (25), o Seminário Mineração no Alto Rio Pardo, que está sendo realizado no município de Salinas, no norte de Minas Gerais. O evento, que faz parte da Jornada Nacional de Lutas, é organizado pelo MAB em parceria  com o Movimento da Articulação dos Sindicatos dos Trabalhadores Rurais, o Colegiado do Território da Cidadania Alto Rio Pardo e as comunidades atingidas pela mineração.

Como parte da Jornada Nacional de Lutas, os atingidos pela barragem de Belo Monte, que estão acampados desde a última segunda-feira em Altamira, fizeram nessa manhã (25) um mutirão de doação de sangue no Hemopa da cidade.

Cerca de 200 integrantes do MAB e de outros movimentos da Via Campesina e Fetraf fizeram no final desta manhã (25) o trancamento da ponte que liga os estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul, na cidade de Marcelino Ramos. Com a ação, os agricultores cobram do governo federal medidas urgentes para solucionar as grandes dívidas dos camponeses.

Após pressionar o governo por meio da ocupação do Ministério da Fazenda, a Via Campesina Brasil teve audiências nesta quinta-feira (25/08) em diversos ministérios. Um grupo de trabalho se reunirá em cada ministério para discutir as pautas.

Cerca de 10 mil pessoas participaram na tarde hoje (24), em Belo Horizonte (MG), de um grande ato unificado em defesa da educação. A maior parte do público era de professores que estão em greve há quase 80 dias. Também participaram estudantes, movimentos sociais da Via Campesina, Assembléia Popular, sindicatos, movimento popular urbano, entre outros, em um grande momento de levante dos trabalhadores e trabalhadoras do estado de Minas Gerais.
 
Os professores estão em greve para reivindicar melhores condições de trabalho e remuneração.