Colíder

Acordo com o MPT estabelece que os trabalhadores tenham a carteira assinada em suas cidades de origem e os custos com passagens, alimentação e hospedagem sejam do consórcio. Segundo liderança do MAB, "não há dúvidas de que os protestos foram iniciados devido a “uma série de insatisfações” referente a direitos trabalhistas que o consórcio não vinha cumprindo".

Na última segunda-feira, dia 11, centenas de trabalhadores da Usina Hidrelétrica Colíder, localizada no município de Nova Canaã do Norte, no Mato Grosso, incendiaram as instalações do canteiro de obras da barragem, de propriedade da Companhia Paranaense de Energia (Copel).

Atingidos pela usina hidrelétrica de Colíder no Mato Grosso ocuparam na manhã desta segunda-feira (20) a sede da Companhia Paranaense de Energia (COPEL), proprietária da barragem que está em fase avançada de construção. O grupo é formado, sobretudo, por pescadores que reivindicam que a empresa reconheça os prejuízos que centenas de famílias tiveram depois do início da construção da barragem. Todas viviam da pesca no rio Teles Pires e ficaram sem a principal fonte de renda.

O Movimento dos Atingidos Por Barragens (MAB) realizou, de 06 a 09 de março, reuniões com a população atingida pela Hidrelétrica de Colíder, prevista para ser construída no norte de Mato Grosso. As reuniões reuniram representantes dos movimentos sociais da Via Campesina, SINTEP- Subsede Colider, pescadores e agricultores.