Complexo Tapajós

As mulheres do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) apresentaram seu trabalho com as arpilleras em evento da Universidade Federal do Pará (UFPA), campus de Altamira, na noite dessa quinta-feira (5 de fevereiro). A apresentação aconteceu na abertura do lançamento do livro “Mobilização social na Amazônia – A luta por justiça e por educação”.

Aconteceu nos dias 11 e 12 de dezembro o Encontro das Mulheres Atingidas por Barragens na região do Tapajós. A atividade aconteceu na comunidade Campo Verde (Km 30) e reuniu mulheres de várias comunidades rurais e urbanas, como Baixão Bonito, Açaituba e Nova Miritituba.

Os moradores do distrito de Miritituba (município de Itaituba, região do Tapajós) cansaram de esperar. Depois de mais de 10 dias sem ver a água sair das torneiras e sem ação da prefeitura, decidiram trancar a rodovia Transamazônica, que corta o distrito. A interrupção durou 3 dias.

O Movimento dos Atingidos por Barragens esteve presente e foi solidário à manifestação. O distrito tem crescido de forma desordenada, com o avanço do agronegócio. A região é atingida pela construção de portos para escoamento da soja produzida no Mato Grosso.

Integrantes do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) e organizações parceiras ocuparam hoje (1º de dezembro) a sede da distribuidora de energia Celpa-Equatorial em Itaituba, região do Tapajós (oeste do Pará).

Nesta terça-feira (5 de agosto), os paraenses foram para a rua dizer um basta aos abusos da Celpa (distribuidora de energia do Pará). A empresa recebeu autorização da Aneel para aumentar a conta de luz em 34,41%. O anúncio foi feito hoje. A empresa havia pedido à Aneel autorização para aumentar a tarifa de luz em 37,07%, mesmo sendo considerada uma das piores distribuidoras de energia do país. 

Nesta terça-feira (5 de agosto), os paraenses foram para a rua dizer um basta aos abusos da Celpa (distribuidora de energia do Pará). A empresa pediu à Aneel autorização para aumentar a tarifa de luz em 37,07%, mesmo sendo considerada uma das piores distribuidoras de energia do país. O reajuste, se autorizado, será anunciado no próximo dia 7 de agosto.

Famílias atingidas pelo recém-construído Porto de Miritituba, na localidade de Nova Miritituba, no Pará, estão indignadas com a Bungue, dona do Porto. Sentem-se enganadas e lutam por conquistas de direitos. 

Ribeirinhos, pescadores e trabalhadores rurais reafirmaram sua posição contrária à construção do Complexo Tapajós durante seminário convocado pela Eletrobras para apresentação dos estudos para a realização das hidrelétricas, nesta segunda-feira (6) em Itaituba (PA).

Entre os dias 7 e 9 de março, cerca de 35 mulheres organizadas no Movimento dos Atingidos por Barragens - MAB, na Comissão Pastoral da Terra – CPT e no Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Itaituba - STTR, reuniram-se na sede do sindicato para debater os grandes projetos planejados para o Oeste do Pará e os impactos sociais e ambientais que essas obras poderão causar na vida das mulheres da região.

O Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) realizou nessa quinta-feira (6) o primeiro encontro de mulheres ribeirinhas ameaçadas pelo complexo Tapajós na comunidade Pimental.  Participaram da atividade 70 mulheres das comunidades Pimental, Vilinha e Piriquitos com objetivo de fortalecer a organização e resistência das comunidades.