Crise da água

Em curso do Coletivo de Luta pela Água, militantes responsabilizam a gestão tucana paulista

 

Por Vanessa Ramos, da CUT São Paulo

Foto: Sérgio Silva

São Paulo – Na companhia do governador Geraldo Alckmin (PSDB), o diretor metropolitano da Companhia de Saneamento Básico de São Paulo (Sabesp), Paulo Massato, afirmou hoje (27) que, caso seja necessário o racionamento, este seria “drástico”, deixando a população dois dias com água e cinco dias com as torneiras secas. A Sabesp divulgou, também hoje, um site com os dias e horários em que a chamada redução de pressão da água é praticada nos bairros da capital paulista e da região metropolitana de São Paulo.

Técnico da Sabesp confirma que a empresa e o governo paulista priorizam o corte no fornecimento de água nas periferias. Visita à zona sul paulistana mostra escola fechada por falta d’água, regiões que ficam até nove dias sem recursos hídricos e moradores reclamando que da torneira sai líquido com “gosto de lama”

por Igor Carvalho, da Revista Fórum
fotos de Sarah Pabst

Foto: João Zinclar

por José Eustáquio Diniz Alves*, do Ecodebate

Alguém pode imaginar que São Pedro (o santo que controla as chuvas) está brigado com São Paulo e com São Francisco. Mas sem querer entrar nos meandros dos bastidores do céu, considero que a falta d’água é um problema bem terreno.

Foto: Oswaldo Corneti/ Fotos Públicas

do Brasil de Fato

Como a Sabesp optou por repassar dividendos milionários aos seus acionistas em detrimento do investimento em novas fontes de captação e proteção das existentes, como o Sistema Cantareira

por Fabio Serpião, da Carta Capital

São Paulo – Em ato carregado de ironia, manifestantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) simularam uma "dança da chuva" em frente a sede da Sabesp, na tarde de ontem (25). O ato incluiu um "pedido" para que o santo católico São Pedro auxilie a empresa e o governador Geraldo Alckmin (PSDB) a garantir o fornecimento de água ao estado.

Com a presença de diversos movimentos sociais, a vigésima edição do Grito dos Excluídos reivindicou a reforma política e denunciou a culpa do governador Geraldo Alckmin na crise da água em São Paulo


Segundo a relatora, o Governo do Estado pode ser acusado de violação de Direitos Humanos

A relatora especial de Direitos Humanos, Água e Saneamento da ONU, Catarina Albuquerque, esteve hoje (27) em São Paulo, participando de uma mesa de discussões sobre a crise da água na região metropolitana de SP. O encontro ocorreu na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo e foi realizado pela Frente Nacional pelo Saneamento Ambiental (FNSA).

Primeira sessão da CPI ocorreu na última quarta-feira (20) na Câmara Municipal, comissão irá investigar o fornecimento de água da Sabesp para a capital.

Foto: Brasil de Fato / SP