Curso de Energia

Iniciou nesta na ultima segunda feira( 18),  a 4ª turma do Curso de Especialização e Extensão “Energia e Sociedade no capitalismo contemporâneo”. Este curso é uma parceria do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) com o Instituto de Planejamento Urbano e Regional (IPPUR) da UFRJ.

Mais uma turma concluiu o curso “Energia e Sociedade no Capitalismo Contemporâneo”, uma parceria entre o Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IPPUR-UFRJ) e o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB). O grupo de estudantes - militantes de organizações sindicais e movimentos sociais de oito países da América Latina – decidiu homenagear o Comandante Hugo Chávez dando seu nome à turma.

O momento atual, marcado pelas grandes mobilizações de rua, expressa a passagem de um longo período em que imperou a lógica da conciliação de interesses e do consenso, recolocando o conflito como motor da história. Existe na sociedade maior disposição para as lutas e as reivindicações de caráter popular ganham espaço.

Com o objetivo de aprofundar o tema da energia de forma ampla e com o olhar de vários movimentos sociais do Brasil e América Latina, iniciou ontem na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) a segunda etapa do curso Energia e Sociedade no Capitalismo Contemporâneo, uma pareceria entre o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), e o laboratório ETTERN/IPPUR da UFRJ.

Aconteceu na tarde desta sexta-feira (22) o lançamento do livro “Prisão em Lajeado Pepino – uma ação social contra a barragem de Machadinho”, do antropólogo Aurélio Vianna Junior. O lançamento aconteceu no prédio da reitoria da Universidade Federal Fluminense e fez parte da programação do curso “Energia e Sociedade no Capitalismo Contemporâneo”, uma parceria entre o Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IPPUR-UFRJ) e o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB).

“Mudar o caráter elitista da universidade é um moinho de vento a ser enfrentado. O acesso mais justo e universal à universidade e à democratização do ensino são passos importantes para a mudança da sociedade. A presença dos movimentos na universidade é motivo de orgulho para a UFRJ”, afirmou o pró-reitor de Extensão da UFRJ, Pablo Benetti. As aulas acontecem no prédio da reitoria da UFRJ, na cidade universitária.