Jornada de Lutas

Nesta manhã (24) os atingidos pela barragem de Belo Monte marcharam pelas ruas de Altamira, em protesto à construção da barragem de Belo Monte. Com faixas de “Belo Monte para quê e para quem” e “Energia para o povo e não para as grandes empresas”, os manifestantes partiram do acampamento montado na última segunda em direção ao centro da cidade.

Desde ontem (23) cerca de 1500 camponeses da Via Campesina permanecem ocupando a sede nacional do Departamento Nacional de Obras Contra a Seca (DNOCS), na capital do Ceará, Fortaleza.

Desde ontem (22) marchas, acampamentos, ocupações e ações de agitação e propaganda marcam a jornada de lutas dos atingidos por barragens e demais organizações da Via Campesina e Assembléia Popular em diversos estados e na capital federal. As principais bandeiras são reforma agrária, anistia das dívidas dos agricultores, medidas populares na área da energia, 10% do PIB para a educação, redução da jornada de trabalho, entre outros pontos do Projeto Popular para o Brasil.

Após ocupar o Ministério da Fazenda, os movimentos da Via Campesina conseguiram agendar uma reunião de negociações com o governo federal. Tendo como pontos principais a questão do corte de recursos para a reforma agrária e a dívida dos pequenos agricultores, a reunião foi marcada para as 17h no Palácio do Planalto.

Os atingidos pela barragem de Belo Monte seguem acampados em Altamira. O acampamento, organizado pelo Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) foi montado ontem (22) na praça da Independência, próximo a Universidade Federal do Pará (UFPA).

Nessa terça-feira 23 de agosto, movimentos sociais do campo e da cidade mobilizam cerca de mil pessoas na capital paraibana, João Pessoa. Somam-se à Via campesina e Assembléia Popular, diversos sindicatos, ONG´s, estudantes e entidades religiosas.

Os militantes da Via Campesina que desde ontem (22) estão acampados em Juazeiro (BA) nesta manhã fizeram uma marcha até a cidade de Petrolina (PE) e ocuparam a sede da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf).

Depois que mais de trezentos atingidos pela barragem de Samuel bloquearam a BR 364 na manhã de ontem (22/08), em Rondônia, a diretoria da Eletronorte aceitou receber uma comissão de atingidos por barragens para uma audiência em Brasília, no próximo dia 31 de agosto.

Cerca de 700 pessoas do MAB estão nesta manhã (23) marchando em direção à barragem de Tucuruí, no Pará, para cobrar os acordos firmados ainda em 2005, mas que até agora não foram cumpridos pela empresa que administra a barragem, a Eletronorte.