Mariana

A ONU lançou um comunicado à imprensa, na última quarta-feira (27), com a opinião de dois especialistas sobre o rompimento da barragem de rejeitos pertencentes à Samarco (Vale/BHP Billiton), ocorrido no dia 5 de novembro em Mariana (MG).

“Seria uma bomba em cima da cabeça dos moradores e trabalhadores”, alerta atingido sobre possível rompimento da terceira barragem.

O juiz de Mariana, Frederico Esteves Duarte Gonçalves, negou recurso judicial da Samarco (empresa que tem como donas a Vale e BHP-Billiton), que pedia o desbloqueio de pouco mais de R$ 7 milhões de suas contas bancárias, afirmando que a empresa “vem adotando estratégia jurídica indigna e deliberada de, como se fosse o botequim da esquina, não cumprir o mandamento judicial”.

O Movimento Mexicano de Atingidos por Barragens e em Defesa dos Rios (MAPDER) e a Rede Mexicana de Atingidos por Mineração (REMA) enviaram uma carta de solidariedade aos atingidos pelo rompimento das barragens da Samarco (Vale/BHP Billiton), localizadas em Mariana (MG). As entidades fazem parte do Movimiento de los Afectados por Represas (MAR), uma articulação de atingidos por barragens latinoamericana, da qual o MAB faz parte.

Intervenção ocorreu na câmara dos deputados; Polícia legislativa deteu quatro jovens e os acusou de crimes ambientais.

Parte das famílias desabrigadas devido ao rompimento da barragem da Samarco (Vale/BHP-Billiton) vai passar o natal, o ano novo e até o carnaval ainda morando em hotéis na cidade de Mariana (MG), segundo cronograma apresentado pela própria empresa.

O repórter fotográfico Joka Madruga esteve em duas comunidades atingidas pela lama da Samarco (Vale/BHP-Billiton), onde alguns moradores permanecem entre incertezas quanto ao seu futuro. Embora ainda vivam em suas casas, também sofreram danos e prejuízos com a tragédia.

Familiares de pessoas desaparecidas depois do rompimento a barragem de Fundão, de propriedade da Samarco (Vale/VHP-Billiton), se reuniram nessa segunda-feira (23) com membros do MAB para discutir a sua pauta de reivindicações e sobre como se organizar para garantir seus direitos e buscar caminhos para reconstruir a vida.

O movimento dos atingidos por barragens da Colômbia, o Movimento Ríos Vivos, enviou uma carta de solidariedade aos atingidos pelo rompimento das barragens da Samarco (Vale/BHP Billiton), localizadas em Mariana (MG).

Foto: Ísis Medeiros

Confira:

Ríos Vivos saluda a los habitantes de Mariana, Brasil, afectados por la ruptura de dos represas y clama la solidaridad internacional

Colômbia, 21 de novembro de 2015

Filhas, filhos, esposas, irmãos e cunhados de pessoas desaparecidas com o rompimento da barragem da Samarco (VALE/BHP Billiton) fizeram um protesto para cobrar da empresa seriedade na busca pelas vítimas da tragédia ocorrida há 15 dias. Os familiares exigiram acesso à informação e cobraram a responsabilidade da Samarco com as buscas.