MMC

Declaração do I Encontro Nacional do Movimento de Mulheres Camponesas

Nós mulheres do Movimento de Mulheres Camponesas – MMC, vindas de 23 estados, representantes de outras organizações populares, feministas, nacionais e internacionais da classe trabalhadora, com o lema "Na Sociedade Que a Gente Quer, Basta de Violência Contra a Mulher", estivemos reunidas no I Encontro Nacional do Movimento de Mulheres Camponesas, durante os dias 18 a 21 de fevereiro de 2013, em Brasília/DF.

Assista aos vídeos do Encontro Nacional do MMC aqui.

 

Plenária do terceiro dia do I Encontro Nacional do Movimento de Mulheres Camponesas discute a luta feminista e produção de alimentos saudáveis

“É preciso reprimir de forma incansável a violência contra a mulher”

Luiz Filipe Barcelos

A presidenta da República, Dilma Rousseff, afirmou que é preciso “reprimir duramente” a violência contra a mulher no país. A mensagem foi dirigida a mais de três mil mulheres camponesas que participam, em Brasília (DF), do Encontro Nacional do Movimento de Mulheres Camponesas (MMC), que vai até esta quinta-feira (21). O evento reúne trabalhadoras de 23 estados do país.

Assista aos vídeos do Encontro Nacional do MMC aqui.

I Encontro Nacional do Movimento de Mulheres Camponesas

Com o tema “Na Sociedade que a Gente Quer, Basta de Violência contra a Mulher!”, cerca de três mil mulheres camponesas, de vinte e dois estados do Brasil, estão sendo esperadas para os dias 18 a 21 de fevereiro de 2013, no Parque da Cidade em Brasília.

Para o Movimento de Mulheres Camponesas (MMC), segundo a dirigente da região Sul, Noeli Taborda o objetivo deste encontro será de “fortalecer o Movimento de Mulheres Camponesas desde a base à direção Nacional, dando visibilidade ao papel importante que a mulher exerce na produção de alimentos, celebrando conquistas e planejando o futuro”.

Com a perspectiva de que não é possível construir uma sociedade mais igualitária se persistir a opressão de gênero, os movimentos da Via Campesina estão engajados em uma campanha para erradicar a violência contra as mulheres. A ideia é denunciar todas as formas dessa violência, cobrar medidas do poder público e incentivar as mulheres a se organizarem para lutar contra esses problemas.

O Movimento de Mulheres Camponesas (MMC) publicou uma carta denunciando as ameaças de morte, pressões psicológicas e insegurança que a militante Rosimeire Rodrigues Nardes de Campos, moradora de Poconé (MT), vem sofrendo. Rosimeire é presidente da Associação de Minis e Pequenos Produtores Rurais da Baía do Campo.

Veja carta na íntegra:

Comemorando os 100 anos do 8 de março como o Dia Internacional de Luta das Mulheres, o Movimento de Mulheres Camponesas (MMC) está mobilizado em conjunto com outros movimentos sociais camponeses e urbanos em diversas regiões do Brasil.