Panambi

O evento ocorreu no dia 12 de março de 2016, na praça da cidade de Alba Posse, província de Misiones na Argentina. O ato ecumênico faz parte das atividades motivadas pelo Dia 14 de março, quando é celebrado o dia Internacional de Luta contra as Barragens.

No Rio Grande do Sul, atingidas debatem o modelo energético e a violação dos direitos das mulheres na construção de barragens.

Audiência púbica, que reuniu mais de mil atingidos pelas barragens do Complexo Binacional Garabi e Panambi, é resultado de uma liminar do Ministério Público Federal que suspendeu o processo de licenciamento ambiental da hidrelétrica de Panambi

O MAB vem denunciar a indústria das indenizações que tenta lucrar com as barragens em prejuízo dos atingidos.

A indústria das indenizações é composta por imobiliárias, técnicos das empresas, cartas de crédito e advogados que incentivam o uso das ações de desapropriação como forma de garantir os direitos.

Integrantes do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), Igreja de Confissão Luterana no Brasil e Diocese de Santo Ângelo foram recebidos na última segunda feira (13), pelo governador do estado do Rio Grande Tarso Genro no Palácio Piratini. O objetivo da reunião foi discutir a criação de um plano que possibilite garantir o desenvolvimento regional e também social sem a construção das barragens de Garabi-Panambi projetadas para o trecho internacional do Rio Uruguai.

Reportagem cinematográfica produzida nas hidrelétricas do Uruguai questiona custos reais da energia hidrelétrica

No último sábado (28), a "Marcha pelo Sim à vida, a liberdade dos rios e pelo Não às represas” chegou ao fim na Praça 9 de Julho, município de Posadas, após uma semana de caminhada e 150 quilômetros percorridos pela província de Misiones, na Argentina.

Prezados (as) Senhores (as)

 

                No último período temos observado uma movimentação maior no tocante a ações das empresas na tentativa da construção das barragens de Garabi e Panambi na bacia do Rio Uruguai. E em conseqüência vem aumentando a tensão entre a população.  Em Alecrim, um grupo de ameaçados barrou a continuidade dos estudos pelo fato de funcionários da empresa terem entrado nas propriedades sem consulta prévia.

Desde segunda-feira (23), mais de mil pessoas marcham pelo interior de Misiones, província argentina fronteiriça ao sul do Brasil.