Placas solares

Nos três estados do Sul do país, 210 famílias atingidas já foram beneficiadas com placas solares para aquecimento de água

 

Atingidos apresentaram experiência do Aquecedor Solar de Baixo Custo, implantada pelo movimento em cinco estados do país.

Esta é a primeira de uma série de 10 placas previstas para serem instaladas no estado do Paraná, através de uma parceria entre o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), Itaipu Binacional e Prefeitura Municipal de Francisco Beltrão.

Neste sábado (4), militantes do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) e moradores do Jardim Julieta, bairro da zona norte de São Paulo, participaram de curso para construção de aquecedores solares. A atividade foi realizada pela Sociedade do Sol (Sosol), ONG sediada na Universidade de São Paulo (USP).

Na última semana, o Movimento dos Atingidos por Barragens iniciou a construção das placas solares para aquecimento de água (ASBC) em comunidades atingidas por barragens no Vale do Rio Ribeira de Iguape, em São Paulo. O objetivo é criar alternativas para que as famílias paguem menos na conta da luz e avançar no debate sobre o Projeto Energético Popular.

O Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) vai inaugurar nesse domingo (17) à tarde uma amostra de Aquecedor Solar de Baixo Custo (ASBC) na Tenda do Futuro da Cúpula dos Povos. A tecnologia é uma proposta do Movimento para aquecer a água para uso doméstico com baixo impacto ao meio ambiente.

O Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) está desenvolvendo experiências de fontes de energia renováveis na região Alto Uruguai, com a instalação de placas solares para aquecimento de água.

O objetivo principal é fazer com que os trabalhadores tenham acesso a alternativas energéticas. “Precisamos difundir a iniciativa para que ela possa ser implementada por mais famílias e entidades”, disse um dos coordenadores do projeto.

O chuveiro elétrico é o aparelho que mais consome energia elétrica nas residências, e tem impacto relevante na conta de luz das famílias. Com consciência desse impacto e para apresentar alternativas ao modelo energético brasileiro, o MAB está desenvolvendo projetos de uso de placas solares para aquecimento da água nos três estados do sul, em SP e MG.