Santo Antônio e Jirau

Se ferozmente o capital e sua gula continuam tentando calar os que lutam, o povo também, teimosamente, continua com pés firmes no caminhar da resistência. Tem gente organizada em todo canto: acampamento, ocupação, estradas paradas, gritos altos dizendo ‘não’. Tem movimento, poesia, música e toda criatividade que se possa imaginar. É a prática social de resistência do povo que toma nas experiências acumuladas o ânimo para seguir e deixam para as que virão o seu legado. A luta, quando entendida, assimilada e incorporada passa a ser parte fundamental daquilo que nos compõe. 

A Santo Antônio Energia anunciou em diferentes meios de comunicação a elevação da cota de seu reservatório em 0,80m e a inclusão de mais seis turbinas, como se o devido licenciamento para essa alteração fosse um fato consumado.

 Nesta terça feira, dia 9 de agosto, famílias atingidas de Jaci Paraná e Nova Mutum organizadas no Movimento dos Atingidos por Barragens ocuparam a superintendência do IBAMA em Porto Velho (RO). Foi reivindicado o agendamento de uma reunião com a presidente, Suely Araújo, e com a diretora de licenciamento ambiental, Rose Mirian Hofmann, que ficou marcada para esta sexta-feira (12) para tratar os problemas socioambientais de Santo Antônio e Jirau.

A Santo Antônio Energia anunciou em diferentes meios de comunicação a elevação da cota de seu reservatório em 0,80m e a inclusão de mais seis turbinas, como se o devido licenciamento para essa alteração fosse um fato consumado.

Hoje (27) pela manhã, militantes do Movimento dos Atingidos por Barragens trancaram a BR 364, que liga o Acre a Rondônia.

Nota del Movimiento de Afectados por Represas, MAB, en el caso de la desaparición de Nilce Magalhães Souza, liderazgo del MAB en Rondonia.

Foto de Nilce

Sin justicia, no hay caso cerrado!

Hasta este momento, la investigación se llevó a cabo por la policía civil no está claro, presenta numerosas lagunas jurídicas en la encuesta. Esperamos que los hechos san debidamente aclarados y que el caso se determine, respetando la base jurídica adecuada.

Nilce de Souza Magalhães, 50 anos, mais conhecida como ‘Nicinha’, mãe de três filhas, vó de sete netos, pescadora e militante do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) em Rondônia, desapareceu esse último dia 7 de janeiro, depois de ser vista pela última vez na barraca de lona onde mora com seu companheiro, Nei, em um acampamento com outras famílias de pescadores atingidos pela Hidrelétrica de Jirau, no rio Madeira, na localidade chamada de “Velha Mutum Paraná”, na altura do km 871 da BR 364, sentido Porto Velho-Rio Branco.

Trocar experiências, estudar o modelo energético e construir uma pauta de luta das mulheres. Esses foram os objetivos do Seminário Mulheres da Amazônia, que reuniu 25 atingidas por barragens de seis regiões em Itaituba (PA) nos dias 2 a 4 de outubro. A atividade foi realizada pelo Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB).