Vale

Atividades acontecem no Dia Internacional de Lutas Contra as Barragens, pelos Rios, pelas Águas e pela Vida

Na manhã deste dia 8 de março, Dia Internacional da Mulher, militantes do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) e de outros movimentos e organizações sociais cariocas fazem um ato em frente à sede da empresa Vale, na Rua Almirante Guilhem, 378, no Leblon, Zona Sul do Rio de Janeiro.

O Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) cobrou nessa quinta-feira (21) uma política nacional que defina quem são os afetados por desastres, como o que ocorreu em Mariana (MG). 

Famílias em área de risco, na cidade de Barra Longa (MG), destruída pela lama da Samarco (Vale/BHP Billiton), querem a construção de suas casas em local seguro. Dona Eva, moradora do Morro Vermelho, que teve sua moradia comprometida pela lama, quer a casa construída em novo local, mas manter a relação de vizinhança.  Eva afirmou que no dia 19/01 uma engenheira da empresa esteve em sua casa e disse que ‘se tirar a lama, sua casa cai’. Disse, porém, que levaria isso pra avaliação interna da empresa. Ela não voltou.

Na cidade de Barra Longa, além da limpeza e reparação dos estragos, os atingidos que ficaram desempregados querem receber logo a ajuda de custo para poderem tocar suas vidas. E a Samarco não define um prazo para que tenham este direito garantido

Os atingidos, que estão se organizando no Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), fizeram vários pedidos de urgência para a reconstrução de parte do vilarejo, que fica nas margens do rio Gualaxo.

Perda da moradia, da privacidade, do trabalho, da comunidade e outras violações de direitos sofridas pelas mulheres atingidas pelo rompimento da barragem da Samarco (Vale/BHP-Billiton)

O maior temor do povo na cidade de Barra Longa é a possibilidade do rompimento da barragem de Germano, que poderá causar um prejuízo maior que o da barragem de Fundão. Sobre isso, os representantes da Samarco (Vale/BHP Billiton) não responderam nem sim e, muito menos, não

Devido à pressão dos atingidos pela barragem de rejeitos da Samarco (Vale/BHP Billiton), a mineradora se comprometeu a agilizar a mudança das famílias desabrigadas dos hotéis para casas alugadas pela empresa na cidade de Mariana (MG).  A mudança no ritmo das transferências foi anunciada durante reunião da comissão dos moradores das comunidades atingidas, na tarde de ontem (1º de dezembro).