Atingidos pedem suspensão do acordo entre TJMG e Samarco

Atingidos entregam documento que pede a anulação do acordo entre Tribunal de Justiça e mineradoras, relacionado com os efeitos da lama na qualidade e distribuição de água


Desde as 13 horas desta sexta-feira (31), atingidos estão no Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), em Belo Horizonte (MG), para repudiar acordo entre o órgão e as mineradoras - BHP Billiton, Samarco e Vale – que estipula o valor de R$ 1 mil de indenização por cada membro da família prejudicado pela interrupção do abastecimento da água em Governador Valadares (MG).

Além disso, o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) critica a decisão do órgão de suspender as ações movidas contra a Samarco relacionadas à má qualidade e desabastecimento de água na bacia do rio Doce, decorrentes do rompimento da barragem de Fundão.

O Tribunal acatou o pedido da mineradora, que alegou que os Juizados Especiais que tomavam conta das investigações não teriam competência para julgá-las. Eram mais de 20 mil ações provenientes de diversas prefeituras e pessoas físicas que foram prejudicadas com a lama que se estendeu pela bacia do rio Doce.

O Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), organizado em Minas Gerais e no Espírito Santo, entregou um ofício exigindo a anulação das decisões.