Atingidos por barragens ocupam sede da CHESF em Sobradinho

Cerca de 800 representantes de comunidades atingidas por barragens ocuparam nesta manhã (17) o escritório da Companhia Hidroelétrica do São Francisco - CHESF, em Sobradinho (BA). Eles reivindicam a paralisação imediata dos projetos de construção das barragens de Riacho Seco e Pedra Branca, que ameaçam cerca de 20 mil pessoas, e a suspensão do projeto de Transposição do Rio São Francisco. Além disso, exigem da CHESF o pagamento das dívidas com os atingidos pelas barragens de Sobradinho e Itaparica, construídas nas décadas de 1970 e 1980.

Os manifestantes estão acampados na cidade desde segunda-feira (15) e hoje convidaram órgãos de Governo como Chesf, Codevasf e INCRA para debaterem junto às famílias saídas para a melhoria das suas condições de vida. Frente ao não comparecimento do representante da Chesf, que apenas ligou dizendo que não receberia os atingidos, em assembléia, eles decidiram ocupação do escritório.

“Depois de 30 anos, muitas famílias ainda não tiveram os seus direitos garantidos, como água, saúde, infraestrutura de estradas, por isso somos contra mais barragens nesse rio”, afirmou Nívea Diógenes, da Coordenação do Movimento dos Atingidos por Barragens – MAB.