Conflito pela água é tema de Audiência Púbica em Correntina

Ministério Público e organizações sociais convocam Audiência Pública sobre os conflitos pela água em Correntina, movimentos também realizarão uma marcha na região central da cidade

Na próxima sexta-feira (01), o Ministério Público Estadual da Bahia em parceira com organizações sociais convoca Audiência Pública sobre a redução da vazão dos rios, a gestão do uso das águas e os direitos humanos violados na região.

Aberta à população, a audiência acontecerá às 9h, no Ginásio de Esportes de Correntina-BA.  Além do MP, estarão presentes membros do MAB (Movimento dos Atingidos Por Barragens), da CPT (Comissão Pastoral da Terra), Coletivo de Fecho, FAMA (Fórum Alternativo Mundial da Água), Geografar, AATR, CNDH, além de representantes do Executivo (Governo da Bahia) e do Legislativo. Uma Comissão de Direitos Humanos também está a caminho para analisar a situação da região.

Histórico

A situação de crise hídrica na região foi objeto de uma reunião realizada no último dia 22 entre o governador do Estado, Rui Costa, a procuradora-geral de Justiça Ediene Lousado, as promotoras de Justiça Cristina Graça e Luciana Khoury, movimentos sociais e secretários estaduais. Nela, foi discutida a gestão das águas da bacia e apresentada uma proposta de Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) que prevê, entre outras medidas, a regularidade das outorgas concedidas pelo Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema) para grandes empreendimentos na região. Fotografias áreas apresentadas na reunião comprovaram que também existem captações clandestinas das águas dos rios, que causam impactos na vazão. Por isso, o Governo do Estado solicitou prazo de 90 dias para verificação em campo da situação de captação das águas, de modo a diagnosticar melhor o problema, e criou um grupo de trabalho para o qual o MP foi convidado a participar. 

Segundo a promotora de Justiça Luciana Khoury, que coordena o Núcleo de Defesa do Rio São Francisco (Nusf), em razão dos últimos acontecimentos divulgados sobre os conflitos ocorridos em Correntina devido à vazão da Bacia do Corrente, o Ministério Público buscou resolver a situação de maneira a pactuar com o Estado a adoção de medidas eficientes para solução do problema. Na reunião com o governador, ela apresentou o contexto de conflitos socioambientais existentes na Bacia do São Francisco, enfatizando a situação da crise hídrica existente na Bacia do Corrente em razão de fatores climáticos, como a escassez de chuvas, os impactos socioambientais dos grandes empreendimentos (especialmente os de agronegócio) e a insuficiência na implementação dos Instrumentos de Gestão das Águas.

 

Última manifestação pela Água em Correntina (Foto: Thomas Bauer-CPT/BA)

A redução de vazões dos rios da região – Rio Arrojado, Rio Correntina ou das Éguas, Rio Guará e outros, todos eles afluentes do Rio Corrente, que por sua vez deságua no Rio São Francisco – vem sendo denunciada pela população desde 2015 ao Ministério Público, que, por meio da Promotoria Regional Ambiental de Bom Jesus da Lapa, instaurou um inquérito civil para apurar a situação as vazões e a regularidade da concessão de outorgas pelo Inema. As denúncias de que a redução era provocada por grandes captações foram comprovadas pelo Comitê de Bacia do Corrente, que expediu deliberação para que o Inema revisasse as outorgas concedidas, realizasse o cadastramento das captações de água e não emitisse novas outorgas para grandes empreendimentos enquanto não fosse formulado o Plano de Bacia, mas as medidas não foram atendidas. O MP, então, convocou audiência pública para ouvir a população em julho de 2016, e expediu uma recomendação para que o Inema acatasse a deliberação do Comitê, mas mesmo assim novas outorgas foram expedidas.

(Foto: Mateus Pereira Gov/BA)

Por este motivo, explica Luciana Khoury, foi apresentada ao Estado a proposta de TAC, que prevê uma série de obrigações, dentre as quais a conclusão dos estudos para elaboração do Plano de Bacia Hidrográfica para o Rio Corrente; que o Inema se abstenha de autorizar novas outorgas de direito de uso de água, sejam superficiais ou subterrâneas, até a aprovação pelo Comitê do Plano de Bacia; a suspensão das outorgas concedidas após a Deliberação nº 01/2015; a revisão das outorgas de direito de uso de água concedidas para grandes empreendimentos; a realização de um cadastramento para o uso dos recursos hídricos na Bacia do Rio Corrente e do Aquífero do Urucuia; e o monitoramento de vazões.

“Essas serão medidas indispensáveis para o controle de gestão de águas, permitindo que as captações de água na Bacia pelo agronegócio não impactem os rios da região no seu equilíbrio ecossistêmico, bem como as comunidades tradicionais”, afirmou a promotora.

Concentração e Marcha

Antes da audiência, o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) está convocando um grande ato e marcha até o local. A concentração está marcada para às 7h da manhã na Beira do rio, ao lado do Ranchão, região central de Correntina. A marcha deve percorrer a cidade até o local marcado para a audiência.

Para Temóteo Gomes, da coordenação nacional do Movimento dos Atingidos Por Barragens (MAB), este é um momento importante de luta.

“Vamos pressionar o governo e os órgãos competentes para que suspenda todas as outorgas do agronegócio na região. É um momento importante de luta para a classe trabalhadora e os camponeses que defendem seu bem maior, que é o rio e a vida”, afirma.

Além disso, o momento é de contrapor a criminalização dos trabalhadores que vem fazendo a luta em defesa da água.

“Vamos defender também o direito de lutar. Lutar pela água não é crime e os trabalhadores vem sofrendo um processo intenso de criminalização. Não podemos permitir, vamos defender os direitos deste trabalhadores”, conclui.

Serviço:

O que?

Marcha e Audiência Pública sobre os conflitos pela água em Correntina

Quando?

Sexta-feira, 01 de dezembro de 2017, 7h.

Onde?

Concentração: Beira do rio, ao lado do Ranchão.

Audiência: Ginásio de Esportes de Correntina-BA, próximo ao estádio Vadosão.

Contato:

(77) 9 9803-3206 - Temóteo Gomes

Saiba mais sobre o contexto da região: http://bit.ly/2AfHDyE