Em TO, cinco trabalhadores são presos no dia internacional da mulher


No dia internacional de luta das mulheres contra a violência, a polícia agiu com truculência e cinco homens foram presos durante a manifestação das mulheres em Tocantins.


A polícia escolheu os homens que estavam na manifestação prestando solidariedade à luta das mulheres. Usaram como alegação para prisão dos homens dizendo que “as mulheres estavam na ação por influência dos homens”, declarou Érica, atingida por barragens no Estado e liderança do MAB.  Esta é uma “ação truculenta que mostra o estado de exceção que estamos vivendo em Tocantins”, finalizou.

As mulheres estão acampadas desde o dia 05 de março e na manhã de hoje cerca de 400 mulheres do MST, MAB, Marcha Mundial, CIMI e CPT saíram em marcha denunciando os agrotóxicos, o alto preço da energia elétrica e o agronegócio.

As mulheres ocuparam o Ministério da Agricultura em Palmas, Tocantins, para protestar contra o projeto MATOPIBA que quer entregar as terras brasileiras para as empresas estrangeiras, em especial japonesas e chinesas.

O projeto prevê a entrega de 143 milhões de hectares de terras do PI, MA, TO e BA e tende a destruir uma importante área do cerrado, o que causará a exclusão de milhares de camponesas e camponeses de suas terras e a destruição da natureza.

Neste momento as manifestantes se concentram no Campus da Universidade Federal do Tocantins em vigília cobrando a liberdade imediata das pessoas que estão presas.