Movimentos sociais e sindicais acampam na entrada da Barragem de São Simão

O objetivo da mobilização popular é não deixar que a União leiloe as usinas da Cemig

Fotos: Maxweel Vilela

Começou neste sábado (19), o Acampamento em defesa das Usinas da Cemig. A Plataforma Operária e Camponesa de Energia movimentos sociais e sindicais ocupam a entrada da usina hidroelétrica de São Simão, no estado de Goias. São cerca de 200 pessoas acampadas por tempo indeterminado.

Os objetivos do acampamento são para garantir que a mobilização popular não deixe que a União leiloe as quatro usinas de São Simão, Jaguara, Miranda e Volta Grande, que são de controle da Cemig e responsáveis por 50% de geração de energia da estatal.

“Estamos aqui para dar nosso recado, demonstrando o sentimento de toda a população mineira e brasileira dizendo não a privatização das usinas. Defendemos a redução da tarifa de energia, uma vez que estas hidroelétricas já foram pagas nas contas de luz”, disse representante do Movimento dos Atingidos por Barragens.

A Plataforma de Energia propõe a criação de um fundo social a partir do lucro gerado com a venda da energia destas usinas. O fundo deve garantir recursos para saúde, educação, direitos dos atingidos, reforma agrária, moradia e desenvolvimento social para Minas Gerais.

 

STF

O Ministro do Superior Tribunal Federal, Dias Tofili, irá julgar nesta terça-feira (22) uma ação movida pela Cemig pedindo o cancelamento do leilão das hidroelétricas. O pedido é para negociar que as usinas permaneçam sob concessão da Cemig.

“Estamos fazendo um acampamento em vigília aqui na usina de São Simão para dizer que a negociação não é só entre Cemig e Governo Federal, perpassa também pela população que é contra a privatização dessas usinas. Não vamos entregar o patrimônio mineiro”, disse Jefferson Leandro, presidente do Sindieletro.

Temer recua

O interesse de Temer é arrecadar R$ 11bilhões com a venda das hidroelétricas. Após ato de movimentos sociais, sindicais, órgãos governamentais e organizações políticas nesta sexta-feira (18), o Governo Federal recuou e aceitou negociar a extensão da concessão das quatro usinas para Cemig.

No entanto, o leilão continua aberto até que a estatal consiga comprovar que pode arcar com o valor de bonificação. Está previsto no edital que o leilão ocorra no dia 27 de setembro deste ano.

“O recuo do Governo Temer é uma importante vitória da unidade dos mineiros e da pressão popular, porém ainda é necessário muita força para garantir os interesses reais mais profundos do povo e da nação”, 7