Mulheres do Tapajós debatem e qualificam pauta de reivindicações

Mulheres da região do Tapajós estiveram reunidas nesta quinta e sexta-feira (8 e 9) em Itaituba (PA), no Seminário “Mulheres em Luta Construindo a Resistência”. Na atividade, as mulheres debateram sobre as violações de direitos que enfrentam com a ameaça dos projetos previstos para a região (hidrelétricas, portos, mineração) e ausência de políticas públicas e qualificaram sua pauta de reivindicações.

No segundo dia da atividade, as mulheres entregaram o documento contendo as denúncias e reivindicações em audiência na Câmara de Itaituba. A pauta foi recebida pelo vereador Wescley, representando a Câmara. Ele afirmou concordar com parte dos pontos da pauta e se comprometeu a encaminhar um dos pontos mais urgentes apresentados pelas mulheres: a continuidade do transporte escolar na zona rural até o final do ano letivo.

Leia a Carta de Denúncias e Reivindicações das Mulheres do Tapajós

Em seguida, as mulheres se dirigiram ao Ministério Público para protocolar a pauta. “Esse documento é fruto de um processo de formação, debate e luta das mulheres na nossa região. Sabemos que para que ele saia do papel será necessária ainda muita luta e organização”, afirma Raione Lima, da Comissão Pastoral da Terra (CPT). As mulheres já se preparam para o próximo 8 de Março, Dia Internacional de Luta das Mulheres. “É uma data que não pode ser somente de realizar festas e mandar flores, para nós é um dia de luta”, complementou a professora Ana Cativo, uma das participantes.

A atividade é parte do projeto “Direitos das Mulheres Atingidas por Barragens”, uma parceria do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) com a Christian Aid, com apoio da União Europeia. “Este projeto, que já está próximo ao seu encerramento, tem sido fundamental para a organização e a participação ativa das mulheres na região do Tapajós. Hoje todas contam com mais informações sobre seus direitos e se sentem mais confiantes para participar dos espaços de discussão, desempenhando um importante papel na defesa de suas comunidades”, afirma Cleidiane dos Santos, militante do MAB e coordenadora do projeto.

Participaram da atividade 60 mulheres de quatro municípios da região, pertencentes às comunidades Periquitos, São Luiz do Tapajós, Campo Verde, Km 25 (Itaituba), Pimental (Trairão), município de Rurópolis e da comunidade quilombola Murumuru (Santarém). O Seminário foi construído em parceria com a Comissão Pastoral da Terra e Terra de Direitos.