Ocupação do IBAMA por atingidos por Belo Monte completa uma semana

Os moradores da lagoa do bairro Independente 1 (Altamira-PA) organizados no Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) continuam ocupando o escritório especial do IBAMA. A manifestação já dura uma semana. 


Os moradores solicitam ao órgão que suspenda ou cancele a licença de operação de Belo Monte até que a concessionária Norte Energia reconheça como atingidas pela barragem as 500 famílias que vivem em área alagadiça.A Norte Energia se recusa a reconhecer o impacto da barragem sobre as famílias.  

A empresa entrou na Justiça contra uma determinação do IBAMA para que fizesse um levantamento para identificar se o afluxo populacional na área da lagoa tem relação com a construção de Belo Monte.

O Movimento teme que o governo entre com reintegração de posse contra os manifestantes. "Seria um fator que aprofundaria ainda mais a falta de diálogo e violação dos direitos dos atingidos por Belo Monte", afirma Izan Passos, militante do MAB e morador da comunidade.

Os moradores denunciam que muitas pessoas estão ficando doentes devido à situação de insalubridade da região da lagoa. O estopim para a ocupação foi a morte do morador Wilian, aos 23 anos, com dengue hemorrágica. Neste domingo, uma criança de três anos quase morreu afogada ao cair na lagoa.