Participação da Petrobras na exploração do pré-sal é debatido na comissão geral da câmara dos deputados

 

Desde o inicio da manhã desta terça feira (09), representantes da Federação Única dos Petroleiros (FUP), Confederação Nacional dos Trabalhadores da Educação (CNTE), movimento sociais da Via Campesina, realizam atividades em Brasília contra o governo golpista de Michel Temer e contra a PL 4567/16. O projeto de lei já foi aprovado no Senado, que retira a obrigatoriedade de participação mínima de 30% da Petrobrás na exploração do pré-sal, de autoria do senador licenciado José Serra, que atualmente ocupa o Ministério de Relações Exteriores.

No plenário da câmara dos deputados a comissão geral  se reuniu para discutir e debater o projeto do Serra que quer o fim da Petrobras como exploradora única no pré-sal. A comissão geral sobre a Petrobrás e o Pré-Sal foi proposta pelo deputado Carlos Zarattini (PT-SP), que é contra o projeto.

Os participantes reafirmam a defesa da Petrobrás como impulsora do desenvolvimento econômico do País e do Estado brasileiro como detentor da maioria do capital votante da empresa, garantindo o controle de seu planejamento estratégico em benefício da população e da garantia dos direitos sociais.

Na oportunidade militante do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), Robson Formica fez o uso da palavra e destacou que esse projeto do Senador José Serra é um ataque à soberania nacional. “Se aprovado esse projeto o petróleo e o pré-sal que são riquezas de país poderão ser entregues na mão dos estrangeiros, em especial das petroleiras estadunidenses, esse bem estratégico para o desenvolvimento do nosso país. Quem perde é o povo brasileiro, que fica sem esse recurso para a saúde e a educação, e também a indústria nacional, pois a política de conteúdo nacional também está ameaçada”Formica relacionou esta tentativa de entrega da Petrobras e do Pré Sal com a privatização do setor elétrico e a mineração.

“Logo após a privatização ocorreu o apagão no inicio dos anos 2000 onde o Estado brasileiro depois de fazer os investimentos teve que garantir que a energia chegasse à casa do povo brasileiro e no final foi a população que pagou essa conta, porque as empresas que compraram as estatais acabaram sucateando o setor elétrico brasileiro e nossa avaliação é isso poderá ocorrer com o petróleo”. Disse o militante do MAB.