Por que querem condenar Lula?

por Gilberto Cervinski*

1. Porque o julgamento de Lula é parte do golpe

O processo de perseguição e julgamento de Lula pelo judiciário brasileiro é uma fase de continuidade do golpe da classe rica contra o povo e contra o Brasil. Mesmo sem provas, tentarão condená-lo para tirá-lo da disputa eleitoral e para garantir a continuidade do golpe pós-eleições 2018. Farão um julgamento político, realizado por um judiciário à serviço da classe rica. Se condenarem Lula, mostrará que o judiciário tem lado, é juiz a favor da classe rica.

2. Querem condenar Lula para facilitar a retirada de direitos e acabar com a aposentadoria.

O que está em jogo não é apenas a condenação à Lula, mas o aprofundamento do golpe, que busca a retirada de nossa liberdade, de nossos direitos e de todas as conquistas históricas da classe trabalhadora.

Um dos grandes objetivos é fazer a reforma da previdência (antes ou após a eleição) para eliminar o direito à aposentadoria pública. A proposta vai beneficiar os banqueiros. Sem aposentadoria pública, a população será obrigada a fazer plano de previdência privada, em banco privados. Além disso, os banqueiros querem meter a mão no dinheiro da previdência – atualmente 22,5% (cerca de R$ 580 bilhões) de todo Orçamento Geral da União é destinado à Previdência Social. O interesse dos golpistas é redirecionar este valor para pagamento de juros da dívida, que já consome 44% do orçamento total.

Se condenarem Lula, aumentará e facilitará a retirada de direitos, a perseguição, a repressão e todas as formas de violência contra o povo que trabalha.

3. Querem condenar Lula para entregar as riquezas e privatizar tudo.

Os grandes grupos empresariais estrangeiros e brasileiros querem continuar o saqueio e a pilhagem de todas as principais riquezas de nosso território.

O interesse do capital é privatizar tudo e transformar todos os direitos e serviços públicos em negócios particulares e lucrativos aos empresários e isso levará ainda algum tempo. Querem tomar o petróleo brasileiro (pré-sal – 3ª maior reserva do mundo), a Petrobras, a Caixa Econômica, o Banco do Brasil, Casa da Moeda, BNDES, os Correios, Eletrobras, as hidrelétricas, a água, minérios e até partes importantes da Amazônia. Além de privatizar as universidades, toda educação e a saúde, como o sistema único de saúde (SUS), a previdência, etc.

É para tomar todas estas riquezas de assalto que a classe rica precisa condenar Lula, sem correr nenhum risco que ele retorne em um governo popular.

4. Querem condenar Lula para acabar com a soberania e recolocar o Brasil subordinado aos Estados Unidos.

Um dos objetivos do golpe é destruir com a soberania e recolocar nosso país subordinado aos interesses dos Estados Unidos e de suas corporações. Os Estados Unidos tem grande interesse no acesso às gigantes reservas do pré-sal brasileiro e na Amazônia, além de tomar as melhores empresas via privatizações.

A perseguição à Lula é para evitar que o Brasil volte a adotar, na geopolítica internacional, uma política externa soberana e de defesa de nosso território.

5. Querem condenar Lula porque a classe rica quer seguir acumulando riquezas e privilégios.

O objetivo principal da classe rica é recuperar e aumentar seus lucros, frente à crise mundial do capitalismo. Para isso buscam tomar medidas para fazer o povo trabalhar mais e ganhar menos;

A perseguição e condenação de Lula é para seguir com o golpe em um grande acordo nacional e internacional das elites, que envolve a mídia “global” golpista, o capital financeiro/banqueiros, empresas transnacionais (principalmente dos Estados Unidos) em aliança com setores do judiciário (burocracia rica do Estado) envolvendo promotores e juízes, somando ainda partidos políticos como PSDB, PMDB e DEM, entre outros. Na verdade é uma proteção aos corruptos que tomaram de assalto o governo.

Lula lidera todas as pesquisas eleitorais e, se deixarem ser candidato, poderá até ganhar em primeiro turno. Lula é esperança de milhões de pessoas para reverter os retrocessos do golpe.

Se condenarem Lula, vai piorar a vida do povo. Por isso, não podemos e não vamos aceitar este julgamento fraudulento. É necessário seguir a luta firmes e unidos e levá-la até as últimas consequências para defender a democracia, o Brasil e o povo Brasileiro.

Precisamos lutar contra a fraude do judiciário brasileiro e derrotar o golpe.

Eleições sem Lula é fraude!

*Gilberto Cervinski é integrante da coordenação nacional do MAB