Minha senhora presidenta

Autor: 
Fabiano Vitoriano
Militante do MAB em Altamira

Minha senhora,

Dona presidenta

Que outrora

Alimentava a esperança dessa nação sedenta

De uma atenção provedora.

 

Confiamos no teu falar,

E do teu antecessor

Que a todos discursou

Reconhecendo com pesar a dívida que o Estado tinha com nós.

 

Lhe pergunto,

Diz-me o que aconteceu

Será se a Dilma de antes morreu?

Não é mais gente que importa

Mais sim garantir outras portas

E em outros interesses transitar.

 

Enquanto isso,

Continuam os atingidos

Um povo cada vez mais sofrido

Sem ter direitos garantidos,

Mas ainda unidos.

 

Minha senhora presidenta

O povo está que não se aguenta,

Chega de tanta traição,

Nós carregamos nas costas essa nação

Que faça sol ou não

Nós garantimos a plantação

O arroz, o feijão,

Sustentamos o nosso filho e o patrão

Também precisamos de proteção.

 

Por que só eles?

Eles já são ricos demais,

Tem dinheiro que não sabem o que faz.

Garanta nosso reconhecimento

Antes do enchimento

Do próximo lago que está por vir.

 

Nesse Brasil há muito atingido

Tudo povo sofrido

Agora a Senhora também faz parte dessa opressão.

 

Minha senhora presidenta

O que direi aos meus?

Que agora nos esqueceu?

 

Era só um decreto

Nossa conquista histórica

No fim, tudo retrocedeu

Nossa pequena munição

Que pra burguesia a senhora deu.